PHROYBIDO - Parte VI - REENCONTRO COM A MULATA BOAZUDA

Um conto erótico de Ehros Tomasini
Categoria: Heterossexual
Data: 10/05/2018 00:29:20
Última revisão: 11/06/2019 19:42:59
Nota -
Assuntos: Anal, Oral, Heterossexual

PHROYBIDO – Parte VI

A loira chupou Max até que ele não tivesse mais uma gota de esperma sequer. O cara ficou destruído, na cama. Ela, no entanto, estava feliz. Lambia os beiços como se tivesse feito a melhor refeição do mundo. Depois, deitou-se ao lado dele sorridente e logo adormeceu.

Max continuou resfolegando. Quis ir ao banheiro e não conseguiu se levantar, pois suas pernas estavam bambas. Era como se ela lhe tivesse drenado toda a energia do corpo. Mas, a vontade de mijar lhe deu forças. Saiu engatinhando penosamente, até alcançar o vaso sanitário. Porém, não conseguiu se levantar para fazer pipi dentro. Mijou ali, no chão, e sentiu-se aliviado. Depois, voltou para a cama. Com muito esforço, conseguiu subir no leito. Adormeceu logo em seguida.

Nem bem amanheceu, ele sentiu uma vontade enorme de voltar para casa. Não. De se afastar da loira. Ela dormia tranquilamente, mas inspirava algo de maléfico. Suspirou aliviado quando percebeu que havia readquirido as forças das pernas. Foi ao banheiro andando, deu sua mijadinha matinal e voltou para a cama. Ela dormia de bunda para cima, talvez o convidando para mais uma trepada. Ele, no entanto, não estava mais afim. Queria sair dali. Levantou-se e vestiu suas roupas. Pensava em deixá-la e ir embora, depois de pagar a conta do motel. Ela, no entanto, se acordou.

- Oi, amor. Já vai? Ia me deixar sozinha? Vamos dar a saideira…

- Oi. Infelizmente, já estou atrasado para o trabalho. - Mentiu – Não posso me demorar mais.

- Olha, eu vou querer que você me leve em casa, tá? Não trouxe meu cartão, por isso não posso pegar dinheiro num caixa eletrônico.

- Hoje em dia, bastam as digitais para se tirar dinheiro.

- Sim, mas eu deveria saber de cor meu número da conta e eu não o sei.

O negrão ficou sem mais argumentos. Teria mesmo que levá-la em casa. O dinheiro que tinha no bolso era curto, e ainda teria de pagar o motel e um táxi. Esperou ela tomar um banho e vestir a roupa vermelhíssima enquanto ele pagava a conta. Saíram juntos, num táxi chamado pelo motel. Logo, estavam num trecho de favelas, no bairro de Santo Amaro. Ela falava, cada vez que encontrava algum grupo de rapazes mal-encarados, enquanto transitavam por uma ruela apertada:

- Eles estão me levando em casa. Não mexam com eles. Deixem-nos voltar sem problemas.

Max e o taxista estavam preocupados. Haviam entrado numa bocada perigosa da comunidade daquela vila. O taxista resolveu-se a não seguir mais nem um centímetro adiante.

- Tudo bem. Eu moro naquela casa, amor – disse ela, apontando um casebre – e você pode vir aqui a hora que quiser. É só procurar por Quitéria.

- Ela é tua irmã? - Quis saber o negrão, lembrando-se de que a mulata também se chamava Maria Quitéria.

A loira desceu do táxi e saiu rebolante, sem responder a pergunta dele. Jogou-lhe um beijo na ponta dos dedos. E sumiu dentro do barraco que indicou.

O motorista aviou-se a sair dirigindo para trás, da rua, ainda apavorado. Quando chegou na Avenida Norte, ali perto, suspirou aliviado. Disse:

- Porra, não sei como conseguimos sair ilesos, cara. Aquilo ali é uma bocada quente, não sabia?

- Sabia, sim. Mas não consegui pedir que você não entrasse no beco.

- Eu senti o mesmo, cara, como se alguém me empurrasse para aquela favela. Queria dizer que não ia, mas não conseguia. Não valia a pena ir ali por uma mulher tão feia.

- Do que você está falando? A loira é linda e gostosa. Não percebeu?

- Tu deve estar doido, cara. Aquela mulher é horrível e velha. Tu deve ser algum gigolô, para estar com ela.

Max não contestou. Estava achando tudo aquilo estranho. Pediu para o cara rumar para o bairro da Várzea, onde morava. Deu-lhe os últimos trocados que tinha no bolso, mas não foi suficiente para pagar a corrida. Pediu que ele esperasse, subiu ao seu apartamento e pegou algumas cédulas de cem reais. Deu-as ao taxistas, que ficou desconfiado. Perguntou:

- Isso não é dinheiro fácil não, né cara? Não quero me complicar depois.

- Isso foi dinheiro de jogo. Mas pode chamar de caridade. Pode ficar com ele sem medo.

O sujeito esteve indeciso, depois pegou a grana. Tinha quase quinhentos reais. Sorriu satisfeito, apertou a mão do negrão e agradeceu. Foi embora. Max olhou para o céu e viu um lindo arco-íris, como ele jamais tinha visto. Lembrou-se das sementes recebidas do boiola. Voltou ao apartamento e tratou de plantá-las num jarro e coloca-la na varanda do seu apê. Só depois, entrou no banheiro e tomou um banho demorado. Não conseguiu tirar da cabeça as palavras do taxista sobre a loira. Mas a imagem que tinha em sua cabeça era a de uma mulher belíssima e gostosa. Nunca havia trepado com uma tão bela. E tão loira. Adormeceu pensando nisso.

Acordou horas depois, com uma imensa vontade de voltar à casa dela. Por mais que resistisse, a vontade não diminuía. Pegou algum dinheiro, que ainda restava na bolsa que trouxera do cassino, e vestiu-se para ir de novo à favela. Pensou no que a Mãe de Santo havia dito sobre a mulata, mas… a loira não era mulata, óbvio. Pegou um táxi e voltou a Santo Amaro. Desceu na entrada da favela. Entrou resoluto, sem encarar os sujeitos que encontrava pelo caminho. Um perguntou:

- Vai para onde, otário?

- Vou à casa de Quitéria. Ela disse que eu podia vir aqui sem medo.

- Tem alguma caridade para nós?

- Ele meteu a mão nos bolsos. Estremeceu quando não encontrou nenhum dinheiro neles. Mas não perdeu a coragem:

- Deixei todo o dinheiro que tinha no táxi. Fico devendo a vocês.

- Os três sujeitos que o interpelaram, riram. Deixaram-no passar, mas Max percebeu que ficaram fazendo gozações com ele. Apressou os passos, até chegar à porta onde a loira tinha entrado. Bateu na velha porta de madeira. Demorou, para uma senhora velha e encarquilhada vir atender.

A mulher era muito feia e magra. Tinha a tez escura e os cabelos encarapinhados. Ela assustou-se, quando o viu:

- O que o senhor quer?

- Quero falar com Quitéria.

Ela olhou fixamente para ele. Disse:

- Acho que te conheço de algum lugar.

- Acho que não, senhora. Eu me lembraria.

- Quer falar com a Quitéria loira ou a mulata?

- Existem duas?

- Existem quantas você quiser.

Ele esteve indeciso. Depois, disse:

- Quero falar com a mulata.

A velha senhora sorriu, depois o convidou a entrar e sentar-se numa velha poltrona toda esburacada. Pediu licença e entrou num quarto. Demorou uns vinte minutos, antes dele sentir o cheiro de perfume barato. Em seguida, a mulata que ele conheceu no Shopping Tacaruna apareceu, toda vestida de preto e vermelho, muito bonita e gostosa. Alegrou-se ao vê-lo.

- Maximiliano. Que surpresa. A que vem?

- Coincidentemente, ontem conheci tua irmã. Trouxe-a aqui logo cedo. Cadê ela?

A mulata titubeou, antes de responder:

- Ela saiu. É só com ela?

- Na verdade, eu queria mesmo te ver. Te agradecer por ter me levado ao Terreiro e saber por que não me esperou.

- Mãe Nanã mandou-me ir embora. Não quis afrontá-la. Pediu para que eu não te procurasse mais. Mas você veio até mim e eu fico muito contente. Resolveu o teu problema?

- Sim. Consegui, finalmente, ter ereção.

- Mostra.

- E a senhora que foi te chamar?

- Não se preocupe, ela não nos incomodará. Vai, mostra o caralho mole.

Não estava mole. Deu trabalho o negrão tirar das calças, de tão duro que estava. Ela arregalou os olhos. Disse:

- Me deixa chupá-lo. Desde aquela noite, fiquei com vontade de engolir a porra dele.

Max apenas se ajeitou melhor na poltrona. Ela quase se jogou entre suas pernas e agarrou com gana seu enorme cacete. Chupou-o com gula, como se houvesse tempos que não mamava num caralho. O negrão percebeu que ela tinha a mesma técnica da loira e não demorou muito a gozar pela primeira vez na boca dela. Mas ele queria mesmo era foder-lhe o rabo pronunciado. Tirou o short preto que ela usava. Virou-a de costas. Ela lançou fora a blusa curta, vermelha, que vestia. Empinou a bunda para ele. Ele a lambeu ali, mas sentiu um cheirinho de sujeira. Não se incomodou, doido que estava para foder um cu. Quando viu que ela já estava lubrificada, fincou-lhe a peia. Ela gemeu de prazer. Ele começou os movimentos de cópula. Ela gemeu alto:

- Uhmmmmmm… quando estiver para gozar, me diga.

Ele continuou fodendo-lhe o cu. Era quente e muito apertado. Mas ele já lhe fincara todo o caralho. Este, apesar de grande e grosso, escorregava como se o ânus dela estivesse untado de manteiga. Ela se tremia toda, gozando. Ele anunciou:

- Vou gozar. Porra, vou gozar gostoso de novo…

Ela virou-se rápido e abocanhou sua pica. Ele se derramou em esperma imediatamente. Mas ela continuou chupando-o, até que ele gozou na boca dela várias vezes.

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
10/05/2018 08:43:17
Intrigante. Autêntico

Online porn video at mobile phone


modelos piricudosmae pede pra filha rasga cu dela com cinta peniana monstrox videos sexsi brexa nua banhero chopicontos anais + caminhoneiro enrabador da jeba grandeBroderagem contoshttp://migre.me/w4IgEporno comel a sogra emxeridanovinha e pinininha no sexo com pauzudoafeminado sendo fodido churrasco por padrastocontos pegando a vizinhaporno caseiro comendo cu da nnovinnha ela diz ai meu cu caralhofrentista de posto passa a mao na xota putaso garorinha pelainha n nebatando o joelhinho na mesa xvideosgarotinha na siririca no bicambigbundagayXvideos,mulher madura toda múscúlosa fudendofilme potnou vide matefotos de irmanzinhas mais novas provocando seus irmaos e levando pica durpaniqueti lavando gosarda pirniConto erotico de casada q nao se satisfaz com o pau d marido e fica com tesao d ver velho pintudonão coube tanta porra dentro da buceta da gostosavideo de prono doido com loiiraasvi minha mãe gritar na vara do meu padrasto Eu gostei muitolevantou o lencol pra espiar a gostosa e bater punheta xvideoloirinha bêbada pornodoido na edicula contos eróticos mamãe deu o cu eu viMeu cão ralf me comeu contoporno de lingua dençendo a guelacontos eroticos encoxada no metro levei porra na bucetaeu moro sozinho com meu filho eu e ele na minha cama meu filho não casava de fuder .minha buceta eu disse pra ele fode meu cu conto eróticoxxvideos lariha do briquito de eguacontos eiroticos leilaporncontos eiroticos leilapornve.avaca da minhas vizinhas tarada lindo bucetaoxvideo conto corninhopau encapado pra esposa timidaver vidio pitudo dando uns amasso na novinha que nunca vio rolacontos gays- dei o cu pro meu irmao xvidio baxinha gozou enfiando o dedo bem ligeiro na bucetaConto erotico- mete seu pauzudo, come a sua mae putanegao que empurrou quarentta sentimetro na magrelaleitinho do papai contos inocentelindinhas novinhas trepandonumpau grándeconto erótico crente negracorno amant compenis de ouroquero ver namorada traindo o namorado com cunhada no mesmo quarto com tema da Minniebucetao de sotinho q capui de fucaconto erótico brincando pequenaincesto mae negra aparece na frente do filho de vestidinho pornoboa fodaxsvideo caronaspiveti comeu a mai durminogang bang no onibus contosamor sexo sem penetrarbucetas gordas a deramarem espermasso bucetas melecadasconto erotico pomba gira na esposatarada nuonibuconto erotico afeminado esposa dedos no cu consolopirocona na titiaescrava sexual virgemvizinho olhando a vizinha afudetxvideogay foram acampar e so tinha uma cobertaconto erotico pegando fogo de tesao insaceavel queria fuder com quaquer um tesao ejagerado demais pegandoesposa com sinco estranho porno gravado en casaSwuingxvideosflagrei esposa socando vibrador no cu do vizinho novinho contoscomendo um cu para ir pra copa pornodoidowww.porno novinha dormindo no sofa amigo abril o botaoda calcapegei minha cunhada xhmasterbucerudas branca vs negacontos eroticos ajudei vizinha idosa e ela pagou cim boqueteMullheres gosando igual homem espirando ver de graçacontos eroticos com viuvas ricas e mulheres sedutoras ricasXVídeo pornô marido da um homem desceu presente surpresa para mulher com os olhos vendadosnegão barbarizou a novinha de bruçoscache:bXi9Mcaf17gJ:http://zdorovsreda.ru/texto/201603808+meu dogue meu amante chorei mas gostei contopegou o marido fudendo a cunhadaxvidios.comcoroa gosado pau do manoradi vedeo de sexovideo caseiro crossdresser atende entregador de calcinhasou vagabunda amo.fodeGol contos eróticos Prima com primo gordinha gostosacontos hot sobre a brincadeira pique esconde maiores de 18xividio ela fica xorando quando da o cuconto erotico tirei o cabaco da pateicinha no matox videos cu exfoladoconto erotico novinha zeladorfilha enventa de dormir na cama do pai ele nao aguenta gosa dentro da buceta delaconto erotico gay branco dominador gosta de maltratar viado pretomundobichacavaloporno português putas gemendo e falando coisas escitantes.xvideos menimas14